Moradores passam a madrugada na fila para agendar consulta de retorno em Petrópolis

Moradores passam a madrugada na fila para agendar consulta de retorno em Petrópolis

Cerca de 300 pacientes esperaram no ambulatório do Hospital Alcides Carneiro nesta sexta-feira (15). Só há vagas para novembro e dezembro.

Os moradores que dependem do Sistema Único de Saúde (SUS) em Petrópolis, na Região Serrana do Rio, enfrentaram longas filas nesta sexta-feira (15) para tentar marcar uma consulta de retorno em uma das 67 especialidades médicas. O sistema da Secretaria de Saúde abre agenda em um único dia do mês e, atualmente, só tem vagas para novembro e dezembro. Por volta das 6h30, cerca de 300 pessoas estavam fila e algumas chegaram durante a madrugada.

Fila Hospital Alcides Carne - Moradores passam a madrugada na fila para agendar consulta de retorno em Petrópolis
Fila para marcação de consutas médicas de revisão em Petrópolis




É o caso do pintor Edson de Souza que era o primeiro da fila, chegou ao ambulatório do Hospital Alcides Carneiro, onde é feita a marcação, às 2h30. Já a Carmen das Graças, de 66 anos, chegou às 4h30. Segundos os pacientes, não tem ninguém para organizar a espera e os idosos formaram uma fila só pra eles, para o atendimento preferencial. No entanto, funcionários da unidade afirmaram que não havia fila preferencial e começou um tumulto no local.

Por volta das 7h, os idosos e pessoas com deficiência começaram a ser atendidos, mas isso não amenizou a revolta de quem precisou chegar cedo ao local. O idoso José Zeferino Puri afirmou que falta mais humanidade no atendimento da secretaria de Saúde. De acordo com ele, o sistema de marcação precisa de mudanças e sugeriu que o retorno fosse marcado logo após a consulta, para evitar que os pacientes enfrentem filas.

Em nota, a Prefeitura de Petrópolis informou que a “fila registrada nesta sexta-feira (15) ocorreu por conta da marcação bimestral de retorno para 67 especialidades médicas, que hoje contemplam o ambulatório do Hospital Alcides Carneiro – o maior do município e que realiza de 4 a 5 mil atendimentos por mês”. Disse ainda que uma “falha no sistema atrasou o procedimento de marcação, fazendo com que a equipe realizasse o atendimento manualmente”.




O município afirmou que a Prefeitura também disponibilizou equipes de outras secretarias, como a Defesa Civil e Assistência Social para auxiliar nesta ação e agilizar o serviço com 15 profissionais atuando neste processo.

Fonte: G1
Edição: Marcia Chaves