Em meio a alta recorde do barril, OPEP prevê seguir dominando mercado energético até 2040 | Economia


Em meio a alta recorde do barril, OPEP prevê seguir dominando mercado energético até 2040 | Economia

“O petróleo continuará sendo forte no mix energético do futuro”, projetou nesta terça-feira o nigeriano Mohammad Sanusi Barkindo, secretário-geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), em um fórum realizado em Madri. Além disso, pediu a intensificação do diálogo e da cooperação entre a OPEP e países produtores que não pertencem à organização para combater a mudança climática, “conseguir que a energia seja acessível a todos” e evitar passar de uma crise para outra.



Barkindo, que anunciou as decisões tomadas neste fim de semana na Argélia pela organização, em uma reunião organizada pelo Clube Espanhol de Energia e pela petrolífera Cepsa, destacou que todas as fontes de energia vão crescer a partir de agora até 2040, com exceção do carvão, cujo declínio começará a ocorrer em 2030. Nesse horizonte, o fornecimento de gás terá a maior taxa de crescimento, de 35%, e o petróleo, de 16%. A oferta de energias renováveis aumentará em 21%, enquanto a hidráulica, em 4%; o fornecimento de energia nuclear crescerá 10%, e o de biomassa, 9%.

A esse respeito, Barkindo acrescentou que o petróleo e o gás responderão por 53% do total (28% e 25%, respectivamente) comparados aos 54% (32% e 22%, respectivamente) em 2015. Ou seja, embora o petróleo continue liderando, sua participação diminuirá em relação ao gás e outras fontes, como hidrelétricas e energias renováveis, enquanto a parcela do carvão cairá de 28% para 22%.

O secretário-geral da OPEP destacou que todos os países da organização assinaram o Acordo de Paris, por se sentirem comprometidos na luta contra a mudança climática. E, então, lançou a questão de como garantir que haja oferta suficiente para satisfazer uma demanda que, segundo as previsões da OPEP, crescerá 33% de 2017 a 2040, com impacto especial nos países em desenvolvimento. Barkindo também ressaltou a necessidade de atender a essa demanda de forma sustentável diante de uma população que somará 9 bilhões de pessoas, das quais 1 bilhão não têm acesso à eletricidade.

Fortes investimentos

Para Barkindo, os países enfrentam o desafio de possuir energia em todas as fontes, melhorando a eficiência e produzindo energia mais limpa com as tecnologias apropriadas. Em sua opinião, a solução depende de um “esforço coletivo necessário” para tornar a energia acessível a todos. Nesse sentido, pediu a colaboração entre os países membros e não membros da organização: caso contrário, a consequência seria uma crise após a outra, lembrando o impacto que a crise anterior teve sobre o setor.

De acordo com dados da OPEP, a demanda subirá de 97,2 milhões de barris por dia para 111,7 milhões entre 2017 e 2040, elevando a produção de petróleo de 4,5 milhões de barris/dia para 22 milhões de barris/dia em 2040. Essa preponderância continuará a ser marcada pelo transporte, tanto rodoviário quanto de aviação, com um crescimento médio de 8,2%, e pela indústria petroquímica, com um aumento de 4,5%. Com isso, o veículo elétrico ficará com 13% de participação.

A maior demanda e a necessidade de um fornecimento universal, bem como a adaptação às novas tecnologias para combater as mudanças climáticas, levarão a elevados investimentos no setor, que somarão 11 bilhões de dólares (cerca de 45 bilhões de reais) no período de 2017 a 2040. Isso, em sua opinião, é significativo porque mostra uma mudança de tendência após dois anos (2015 e 2016) de cortes de investimentos.

Petróleo em nível recorde

A constatação ocorre em um momento em que as cotações de petróleo superam as máximas dos últimos quatro anos, superando 82 dólares por barril. Desde janeiro, o preço do barril tipo Brent subiu 20% e, depois encostar na barreira dos 80 dólares repetidamente nos últimos dias, parece que a reunião dos membros da OPEP realizada este fim de semana na Argélia deu fôlego para a continuidade da tendência de alta. A cotação do barril tipo WTI, referência nos EUA, atingiu 72 dólares.

A reunião na Argélia adiou o debate sobre um eventual aumento na produção, apesar do impacto que as sanções ao Irã e a crescente participação de mercado dos Estados Unidos poderia ter sobre a oferta. Enquanto isso, o presidente dos EUA, Donald Trump, divulgou num tuíte o apoio do Governo norte-americano aos países do Oriente Médio em relação às cotações do petróleo e tem repetidamente pedido à OPEP para baixar os preços.





Fonte





%d blogueiros gostam disto: