Uber e Grab são multadas em US$ 9,5 milhões após fusão em Singapura | Tecnologia




Uber e Grab são multadas em US$ 9,5 milhões após fusão em Singapura | Tecnologia

Reguladores enxergaram que a fusão elevou o preço das corridas em Singapura e finalizaram restrições para a abertura do mercado a concorrentes.

Embora a multa combinada seja baixa comparada com os valores multibilionários das empresas, esta e outras medidas impostas pela Comissão de Competição e Consumo de Singapura na segunda-feira representam a maior censura de um regulador desde que o acordo foi revelado.

O órgão antitruste disse que exigiria que motoristas da Grab não tenham exclusividade com a empresa e que acordos de exclusividade da Grab com quaisquer frotas de táxi sejam encerrados.

O Uber também terá que vender seu negócio de aluguel de carro para qualquer concorrente que faça uma oferta razoável e não poderá vender tais veículos para a Grab sem a permissão da Comissão. O negócio de aluguel de carros, Lion City, tinha uma frota de cerca de 14 mil veículos em dezembro.

Ao multar o Uber em 6,6 milhões de dólares de Singapura e a Grab em 6,4 milhões de dólares de Singapura, o regulador disse que as taxas efetivas da Grab subiram de 10 a 15% após o acordo e que o a empresa agora detém uma fatia de mercado de cerca de 80% em Singapura.

O Uber disse acreditar que a decisão foi baseada em uma “definição inapropriadamente limitada do mercado” e que consideraria recorrer.



A Grab disse que concluiu o acordo dentro dos direitos legais e que não violou intencionalmente ou negligentemente as leis da concorrência. A empresa acrescentou ainda que cumpriria os remédios impostos pelo regulador.

A Go-Jek, empresa da Indonésia que planeja lançar serviços em Singapura, recebeu com bons olhos as medidas do regulador.

“Nós estamos encorajados ao vermos medidas serem tomadas para nivelar o campo de jogo – isso terá um efeito significativo em nossa estratégia e cronograma”, disse a empresa.

Outras empresas entrando no mercado incluem a Ryde, de Singapura.

A Grab disse que não elevou as tarifas desde o acordo e argumentou que todas as empresas de transporte, incluindo operadores de táxi, deveriam estar sujeitas a restrições não exclusivas.



O regulador determinou ainda que a Grab deve manter seu algoritmo de precificação pré-fusão e taxas de comissão de motoristas, o que, segundo o órgão, protege clientes de aumentos excessivos de preço e motoristas de altas nas comissões que eles pagam à Grab.

O regulador disse que suspenderia as medidas de maneira interina se um concorrente da Grab conseguisse obter mais de 30% das viagens totais do mercado de compartilhamento de transporte em um mês.







Fonte