Petrópolis – Pais reclamam de falta de vagas em creches municipais.

Petrópolis – Pais reclamam de falta de vagas em creches municipais.

Educação um Direito nem sempre alcançado por todas as crianças

Educação um Direito nem sempre alcançado por todas as crianças
Educação um Direito nem sempre alcançado por todas as crianças

A educação é um direito da criança. Porém, quando o governo não oferece políticas públicas que garantam o acesso a esse direito, ele é deixado de lado, deixando as famílias reféns das instituições privadas, que cobram preços que a maioria dos brasileiros não pode pagar.




Longe de atingir a meta de oferecer creches as crianças de zero a 3 anos no país, o Brasil deixa de atender justamente as famílias mais pobres, indicam levantamentos realizados pela Fundação Abrinq e pelo movimento Todos pela Educação. Embora a meta do Plano Nacional de Educação (PNE) seja a de atender no mínimo 50% das crianças nessa faixa etária até 2024, só há vagas em creches para 30% delas.

Se o panorama do acesso às creches é crítico quando falamos do âmbito nacional, o cenário não se altera muito no município. Segundo dados da administração municipal, mais de 3 mil crianças aguardam na fila de espera por uma vaga nas creches da cidade.


Um grupo de mães do bairro Atílio Maroti reclamam da falta de vagas nas creches públicas da cidade e do abandono da creche do bairro.

Eu tenho três filhos, dois com idade de ficar na creche, a mais velha, que tem sete anos, está no colégio. Não posso trabalhar porque não tem vaga na creche para meus dois filhos pequenos. Para sobreviver, estou tomando conta de outras crianças. Outras mães que estão na mesma situação, aguardando vaga para os filhos em alguma creche, me procuram para ficar com as crianças enquanto elas trabalham – lamentou Rafaela Virginia, moradora do bairro Atílio Maroti.



Para Euzemir Maria dos Santos, um dos principais problemas é quando o bairro tem a creche e está abandonada.

Temos a creche Irmã Dulce que está totalmente abandonada. Muitas mães do bairro estão aguardando na lista de espera por uma vaga em alguma creche. É um absurdo a gente ter toda essa estrutura aqui abandonada e tantas mães necessitadas. A creche fechou em 2016 para reforma do telhado, as crianças que estudavam aqui foram transferidas para outra creche no bairro Retiro. A prefeitura ofereceu uma van para o transporte dessas dez crianças. As outras crianças não tem direito a esse transporte, são obrigadas a ir de ônibus – lamentou a moradora do bairro.

Duas vezes mãe de gêmeos, Joelma Aparecida dos Santos lamenta a falta de vagas nas creches e ressalta a importância da creche na vida das famílias.

Muita criança precisa da creche para alimentação. Ter vaga para todas as crianças é muito importante. As crianças não podem ficar na rua, o colégio em período integral seria ideal para muitas mães. Eu sou mãe de quatro filhos e não tenho vergonha de falar que meus filhos já precisaram muitas vezes da alimentação da creche Irmã Dulce. Hoje, ver esse local abandonado e tantas mães desesperadas por uma vaga é muito triste- lamentou a mãe.




O prefeito Bernardo Rossi esteve aqui em novembro do ano passado e garantiu que as obras da creche Irmã Dulce seriam iniciadas em janeiro. Até o momento nada foi feito – disse Angela Maria Santos Almeida, moradora do bairro Atílio Maroti.

Fontes: Diário de Petrópolis e A Voz da Cidade
Fotografia : Alcir Aglio

Anúncios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.