Síndrome de Burnout

Professora do Município de Petrópolis Jusinete Santos cria o grupo BURNOUT – GRUPO DE APOIO E ACOLHIMENTO A PROFESSORES no Facebook para professores que tiveram ou ainda tenham a Síndrome de Burnout, também conhecida no CID-10 como Síndrome de Esgotamento Profissional, código Z73.0.

A proposta é acolher as experiências e angústias desses sofredores mentais com amor, respeito e informações corretas relacionadas a esse transtorno de ordem laboral. A informação é a melhor arma para a prevenção e também a cura desse transtorno.
Se você conhece algum(a) professor(a) com esse problema de saúde, indique o grupo para essa pessoa.

O lema é: Mestre, você não está só!

Síndrome de Burnout: A doença do esgotamento profissional

Síndrome de Burnout: A doença do esgotamento profissional

Informações sobre a síndrome:

Não importa a profissão, o estresse faz parte do dia a dia num mundo cada vez mais competitivo. A Síndrome de Burnout é uma das consequências deste ritmo atual: um estado de tensão emocional e estresse crônico provocado por condições de trabalho desgastantes. O próprio termo “burnout” demonstra que esse desgaste danifica aspectos físicos e psicológicos da pessoa. Afinal, traduzindo do inglês, “burn” quer dizer “queima” e “out” significa “exterior”.

Em geral, a síndrome atinge profissionais que lidam direto e intensamente com pessoas e influenciam suas vidas. É o caso de pessoas das áreas de educação, assistência social, saúde, recursos humanos, bombeiros, policiais, advogados e jornalistas.

Sintomas

Há diversos sintomas, que, em fase inicial, até se confundem com a depressão. Por isso, é importante um diagnóstico detalhado. O esgotamento físico e emocional é refletido através de comportamentos diferentes, como agressividade, isolamento, mudanças de humor, irritabilidade, dificuldade de concentração, falha da memória, ansiedade, tristeza, pessimismo, baixa autoestima e ausência no trabalho. Além disso, há relatos de sentimentos negativos, desconfiança e até paranoia.

É possível que o paciente sofra fisicamente com a doença, com dores de cabeça, enxaqueca, cansaço, sudorese, palpitação, pressão alta, dores musculares, insônia, crises de asma e distúrbios gastrointestinais, respiratórios e cardiovasculares. Em mulheres, é comum alterações no ciclo menstrual.

Além do tratamento, que inclui terapia e medicamentos, como antidepressivos, se faz necessária uma mudança no estilo de vida. A atividade física regular e os exercícios de relaxamento devem entrar para a rotina, pois ajudam a controlar os sintomas. É importante que o médico observe se é o ambiente profissional a causa do estresse ou se são as atitudes da própria pessoa que geram a crise.

A qualidade de vida é uma das armas para prevenir a Síndrome de Burnout. E isso inclui cuidar da saúde, dormir e alimentar-se bem, praticar exercícios e manter uma vida social bem ativa.

Acesse o grupo BURNOUT – GRUPO DE APOIO E ACOLHIMENTO A PROFESSORES – Clique Aqui


Avaliação

http://www.avozdepetropolis.com.br/wp-content/uploads/2017/03/Síndrome-de-Burnout.jpghttp://www.avozdepetropolis.com.br/wp-content/uploads/2017/03/Síndrome-de-Burnout-262x200.jpgR MoreiraSaiba mais#avozdepetropolis,#jornalavozdepetropolis,#saibamaispetropolis,Burnout,esgotamento,sindrome,stressProfessora do Município de Petrópolis Jusinete Santos cria o grupo BURNOUT - GRUPO DE APOIO E ACOLHIMENTO A PROFESSORES no Facebook para professores que tiveram ou ainda tenham a Síndrome de Burnout, também conhecida no CID-10 como Síndrome de Esgotamento Profissional, código Z73.0.A proposta é acolher as experiências e...Notícias de Petrópolis - A verdade da notícia, doa a quem doer