UBER chega de vez a Petrópolis

UBER chega de vez a Petrópolis

Moradores apreciam os preços baixos nas tarifas; porém taxistas, pedem que serviço seja regulamentado.

Uber começa a rodar em Petrópolis
Uber começa a rodar em Petrópolis

A Uber, serviço de transportes individual de passageiros, começou a operar nesta sexta-feira (12) em Petrópolis e Teresópolis. Em seu site, a empresa destacou que “a missão é oferecer mais uma alternativa prática e confiável de mobilidade para a população”. O serviço é conhecido por disputar espaço do mercado com os táxis, oferecendo tarifas mais convidativas. A falta uma regulamentação, no entanto, gerou polêmicas e protestos.


O sistema funciona por aplicativos em smartphones. O passageiro digita o destino da sua viagem ou aponta em um mapa. Antes de confirmar, aparece, automaticamente, o valor do preço final da viagem. Ao confirmar, aparecem todas as informações do motorista (inclusive a foto), a marca e o modelo do carro, assim como o número da placa, permitindo que o cliente identifique o veículo. O pagamento é cobrado automaticamente, via cartão de crédito.

A modalidade do Uber aplicada na cidade será o “uberX”. O preço base para as corridas será de R$ 2,50. O preço por quilômetro, R$ 1,15; por minuto, R$ 0,15; e o custo fixo, de R$ 0,75. A tarifa mínima é de R$ 7, mesmo valor da taxa de cancelamento.


E os preços realmente chamam a atenção. O passageiro que chamar um veículo da Uber saindo do Centro para a Rodoviária do Bingen irá pagar aproximadamente R$ 20. Quem deseja se encaminhar para Cascatinha irá desembolsar R$ 13,71. Uma viagem do Centro para o Quitandinha custa cerca de R$ 11,64. Para o Alto da Serra custa R$ 8,25. Do Centro para Itaipava, a tarifa do Uber é de R$ 36,98. Do Centro de Petrópolis para a capital do Estado, para se ter uma ideia, é cobrado um valor de R$ 134,77: ou seja, se quatro pessoas estiverem no veículo, o custo é de R$ 33,69, apenas R$ 6 mais caro que uma passagem de ônibus.

A novidade atraiu a atenção, que comemoraram a possibilidade de utilizar, na cidade, o serviço, que já está disponível nas principais capitais e regiões metropolitanas do país. O fator que mais atrai os passageiros de fato é o preço: a Uber pode ser uma alternativa não apenas aos táxis, mas até mesmo ao transporte público da cidade.



– Hoje, a passagem de ônibus é de R$ 3,90. Se juntar três, quatro pessoas, para muitos deslocamentos será melhor ir de Uber do que de ônibus. Mesmo se for um pouco mais caro, o conforto compensa. A mesma coisa para grandes deslocamentos. Para o Parque Municipal de Itaipava, por exemplo, é mais vantajoso para uma família ir de Uber do que ir de ônibus, táxi ou até mesmo de carro. Os outros meios de transporte não oferecem vantagens em relação ao aplicativo – afirmou o estudante Guilherme Cohen.

Taxistas pedem regulamentação do serviço

Por outro lado, a chegada da Uber em Petrópolis trouxe apreensão nos taxistas da cidade, que já sofrem com queda na movimentação. O vice-presidente da Associação dos Taxistas de Petrópolis (Astape), Evandro Oliveira, disse que recebeu a notícia com “tristeza”, uma vez que o serviço ainda não foi regulamentado.

– Nos reunimos com o prefeito no dia 7 de dezembro, pedindo uma providência sobre essa questão. Ele não quis regulamentar à época, e disse que somente quando a Uber entrasse na cidade, tomaria alguma providência. Nós, da associação, queremos o bem do taxista. Se tiver que trabalhar junto com o Uber, queremos que seja regulamentado: que os carros passem por vistoria e paguem todas as taxas – afirmou.

Evandro ainda criticou a política de preços da Uber, uma vez que os custos para manter o serviço do transporte de passageiros são altos.



– Temos uma das frotas mais novas do Brasil. Praticamente 70% dos veículos foram fabricados nos últimos dois anos, e não conseguimos trabalhar com o preço praticado pela Uber, por conta do alto custo de manutenção dos veículos. Não reajustamos a tarifa dos táxis do ano passado nem reajustaremos neste ano. Com o valor atual, já temos dificuldade para fechar as contas. Como eles fazem uma corrida que normalmente é R$ 15, com preço de R$ 7, e o litro da gasolina custando R$ 5, mais a taxa da Uber? O motorista tem que tirar o dinheiro para a gasolina, a manutenção do carro e o seu sustento – questionou.

O vice-presidente da Astape afirmou, por outro lado, que a categoria está realizando investimentos: segundo Evandro Oliveira, cerca de 80% dos táxis de Petrópolis já aceitam pagamento por cartões de crédito, e um aplicativo está sendo desenvolvido, em parceria com uma seguradora.

Anúncios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.