URGENTE – Lava Jato no RJ pede a Raquel Dodge reforço para investigar deputados

URGENTE – Lava Jato no RJ pede a Raquel Dodge reforço para investigar deputados

Solicitação foi feita pelo MPF da 2ª Região. Motivo do pedido é a citação de muitos outros parlamentares,

além de Picciani, Albertassi e Paulo Melo, em delação de operador de Cabral.

Lava Jato no RJ pede a Raquel Dodge reforço para investigar deputados
Lava Jato no RJ pede a Raquel Dodge reforço para investigar deputados

O MPF da 2ª Região no Rio de Janeiro pediu à procuradora-geral da República, Rachel Dodge, que reforce a equipe da força-tarefa da Lava Jato que atua no estado, em 2ª instância. A informação foi confirmada pela procuradora-regional Mônica de Ré , na tarde desta quinta-feira (21).


“Principalmente em razão da delação do Carlos Miranda (braço-direito de Cabral) e de outras provas que nós já temos. O ministro Dias Toffoli homologou essa delação que será mandada pra cá que envolve mais um número bem grande de deputados”, contou.

Carlos Miranda é apontado como operador do esquema de corrupção no estado investigado pelo MPF. De acordo com Mônica, ele citou muitos deputados da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), além dos três já presos, como recebedores de propina da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado (Fetranspor) e de outras empresas.



“Nós incrementaremos nosso trabalho e, em razão disso, nós fizemos um pedido à procuradora-geral, Raquel Dodge, para que aumenta a nossa equipe, reforce a equipe aqui do Núcleo de Combate à Corrupção da 2ª Região e também a Polícia Federal, que não haja desfalque na equipe e também, se possível, que aumente o número de delegados”, explicou a procuradora.


A investigação que apura crimes cometidos no setor de transportes do estado resultou na Operação “Cadeia Velha”. Na ação, foram presos o ex-presidente da Alerj, deputado Jorge Picciani, o líder do governo na Casa, deputado Edson Albertassi, e o também deputado e ex-presidente da Alerj, Paulo Melo.

Todos são do MDB fluminense (Antigo PMDB).

Atualmente, há cinco procuradores atuando na força-tarefa da Lava Jato: Andréa Bayão, Carlos Aguiar, Mônica de Ré, Neide Cardoso de Oliveira e Silvana Batini.

Em nota publicada no site do MPF, os procuradores fizeram um balanço da Lava Jato no Rio.

  • 19 pessoas denunciadas
  • 12 mandados de prisão preventiva (incluindo mandados de prisão temporária convertidos)
  • 5 mandados de condução coercitiva
  • 30 mandados de busca e apreensão
  • Pedido de reparos de danos: R$ 270,750 milhões

Planilha de indicações

Uma das páginas da planilha encontrada na casa do deputado preso Edson Albertassi
Uma das páginas da planilha encontrada na casa do deputado preso Edson Albertassi

Baixe AQUI a planilha completa

O envolvimento de deputados em esquema de corrupção já está na mira do MPF. Na quarta-feira (20), o Jornal Nacional que os procuradores apreenderam uma planilha na casa do deputado preso Edson Albertassi (PMDB) que revela como cargos políticos eram distribuídos para atender o esquema de corrupção do Governo.




Para investigadores, o documento que estava num computador do parlamentar demonstra como deputados acusados de integrar uma organização criminosa que dominou o estado mantinham o controle rigoroso sobre nomeações de cargos no governo. A mesma planilha também servia para monitorar votos de aliados, interferir em leis ou investigações, segundo a força-tarefa.

Prefeito de Petrópolis é citado na Lava Jato

Anúncios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.