Pacientes formaram fila na porta das duas unidades. Médicos e enfermeiros reivindicam mudança no vínculo de trabalho.

Profissionais paralisam parte dos atendimentos nas UPAs de Petrópolis
Profissionais paralisam parte dos atendimentos nas UPAs de Petrópolis



Quem procurou atendimento em uma das duas UPAs de Petrópolis, na manhã desta sexta-feira (22) ficou sem atendimento e enfrentou fila. Desde quinta, as unidades estão sendo administradas por uma nova Organização Social (OS), a Consórcio Legal Saúde, após o vencimento de contrato da Cruz Vermelha.




Os médicos e outros profissionais paralisaram parte dos atendimentos pois não aceitaram a proposta da nova empresa, que quer mudar o vínculo de trabalho, deixando de ser por carteira assinada e passando para esquema de cooperativa. Com isso, eles perdem direitos como o FGTS.

Nas duas unidades havia fila do lado de fora nesta sexta e vários seguranças ficavam na entrada, selecionando os casos de emergência para permitir a entrada. Vários pacientes foram orientados a procurar atendimento no Posto de Saúde do bairro Alto da Serra. De acordo com funcionários, poucos médicos e enfermeiros estavam nas unidades nesta sexta, atendendo a uma solicitação do Conselho Regional de Medicina (Cremerj).

De acordo com uma enfermeira que não quis se identificar, o novo esquema proposto pela OS prevê também perda de 30% de férias e garantia de cumprimento de aviso prévio em caso de demissão. “O mesmo esquema de cooperativa faria com que os enfermeiros e enfermeiras, essenciais para o funcionamento das unidades, tenham uma perda real de aproximadamente 40% do salário líquido”, disse.

Em nota, a Prefeitura de Petrópolis afirmou que o funcionamento das duas UPAs – Centro e Cascatinha – conta nove médicos distribuídos nas unidades. “A UPA Cascatinha opera com 2 pediatras, 3 clínicos, 3 enfermeiros e 6 técnicos de enfermagem. Já na UPA Centro, há 2 pediatras no atendimento, 2 clínicos, 3 enfermeiros e 8 técnicos de enfermagem. Um terceiro clínico inicia atendimento agora à tarde na UPA Centro, perfazendo 10 médicos de plantão, quadro completo necessário para o atendimento da média de 250 pessoas por dia nas duas unidades”, disse trecho do comunicado enviado à imprensa.

Ainda de acordo com o município, na UPA Cascatinha há 12 pacientes internados e, na UPA Centro, são 15 pacientes internados. “Houve atraso no início do atendimento na UPA de Cascatinha pela manhã, mas os procedimentos agora estão normalizados”, informou.




Fonte: Coordenadoria de Comunicação Social/PMP
Edição: R.Loureiro

https://i2.wp.com/www.avozdepetropolis.com.br/wp-content/uploads/2017/09/Saúde-Legal-é-homologado-ve.jpg?fit=600%2C370&ssl=1https://i2.wp.com/www.avozdepetropolis.com.br/wp-content/uploads/2017/09/Saúde-Legal-é-homologado-ve.jpg?fit=150%2C93&ssl=1Marcia ChavesAcontece#avozdepetropolis,a voz de petropolis,Brasil,cidade de petropolis,cidade do Rio,cultura,dia a dia de petropolis,greve,informações,jornais,jornal de petropolis,matérias,minuto a minuto,noticias,noticias de petropolis,notícias urgentes,noticiasdepetropolis,paralização,politica,prefeitura,profissionais,rio de janeiro,RJ,saber mais petropolis,saiba mais petropolis,tempo real,ultima hora,UPAs,urgente,viajarPacientes formaram fila na porta das duas unidades. Médicos e enfermeiros reivindicam mudança no vínculo de trabalho. (adsbygoogle = window.adsbygoogle || ).push({}); Os médicos e outros profissionais paralisaram parte dos atendimentos pois não aceitaram a proposta da nova empresa, que quer mudar o vínculo de trabalho, deixando de ser por carteira...Noticias de Petrópolis em um só lugar, a verdade doa a quem doer.